Arquivo de fevereiro, 2010

No meio da crise financeira dos Estados Unidos, em 2009, a General Motors Corporation anunciou que poderia se desfazer de suas marcas, a fim de reequilibrar os balanços e, principalmente, o rombo financeiro da empresa. Depois da ajuda do governo americano, marcas como a Hummer ficaram na prateleira. Esta semana, a má notícia abalou a indústria automotiva, com o anúncio do fechamento da fabricante de brutamontes, conhecidos como carro da guerra do Iraque.

O motivo real foi a desistência dos empresários chineses de comprar a Hummer, que surgiu nos anos 80, com o Humvee (em inglês, High Mobility Multiporpose Wheeled Vehicle). De veículo tático e de guerra, o H1 ganhou algumas sofisticações para agradar os amantes de aventuras 4×4.

O conceito Hummer ficou mais popular com a Guerra do Golfo, em 1992. A partir da virada do século, a GMC investiu na marca e lançou, recentemente, o Hummer H2 Flexpower, equipado com motor menos beberrão e mais “verde”.

A linha Hummer tem dimensões impressionantes. O H1 media 4,69 metros de comprimento, 2,20 m de largura e 2 m de altura. O motor 6.6 movido a diesel despeja 300 cavalos e é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 13,5 segundos.

Em 2002, a marca apresentou o H2, bem maior em relação ao modelo H1. Em seguida, surgiram também o Hummer H3 5.3 Alpha 4X4 V8 Gasolina 4P automático, Hummer H2 6.2 4X4 V8 Flex 4P automático, Hummer H2 6.0 4X4 V8 Gasolina 4P automático, entre outros.

Anúncios

Jaguar mostra novo XKR em Genebra

Publicado: 26 de fevereiro de 2010 em Automotivo, Carros, Lançamento
Tags:

A Jaguar desvenda o XKR 2011, no Salão de Genebra, que será realizado entre os dias 4 e 14 de março. O modelo esbanja a letra “R”, do inglês Racing. Feito em carroceria de alumínio, o XKR traz motor 5.0 V8 Supercharged de 510 cv, com injeção direta de combustível. De opcionais, os kits Black Pack, Speed Pack e Special Edition.

O novo sistema de frenagem é composto por quatro canais ABS, distribuição eletrônica de frenagem e freio hidráulico auxiliar, proporcionando maior pressão nos discos em caso de parada brusca. Diferentemente dos sistemas ABS digitais existentes em outros veículos, os freios do XKR podem variar a pressão de frenagem de acordo com o pneu.

O Jaguar XKR 2011 também é dotado de outros itens de segurança, como o sistema de monitoramento da pressão dos pneus, controle eletrônico de tração, além do sistema exclusivo de impacto com pedestres que, em caso de atropelamento, protege tanto os ocupantes do veículo quanto a pessoa acidentada.

Está na hora do GNV?

Publicado: 24 de fevereiro de 2010 em Automotivo, Carros, Opinião
Tags:

Com experiência de mais de 30 anos vendendo carros no mercado de seminovos, um lojista de Salvador está estimulando a compra de veículos com kit-gás instalado. Será que já é o momento?

Diante do aumento do preço do etanol e da gasolina – na capital baiana, o preço médio do litro é de R$ 2,10 (etanol) e 2,75 (gasolina) -, é bom pensar direitinho sobre o uso do gás natural veicular (GNV), já que é necessário investir pelo menos R$ 2 mil para a instalação do kit-gás no carro.
Além disso, o GNV tem elementos que, se o dono do carro não tiver um cuidado diferenciado na hora da revisão, podem danificar as peças do motor. Entre os inúmeros problemas do GNV, estão a possibilidade de danos precoces no cabeçote, cabos de vela, cilindros, válvulas, entre outras peças mecânicas. Porém, há suas vantagens, principalmente o custo do km/rodado.

Um técnico em instalação de kit-gás defende o uso do GNV com os seguintes argumentos: “O GNV é o mais limpo dos combustíveis, impossível de ser adulterado por estar pressurizado e ser um gás, não afoga como a gasolina, não condensa, não estraga, não forma depósitos no motor e ainda por cima não é tóxico”. Com argumentos técnicos, realmente fica bem difícel discutir.

Porém, é bom avisar que a instalação do kit-gás em veículos zero elimina a garantia do fabricante. Além disso, sempre oriento a quem deseja usar o GNV, em substituição ao álcool, gasolina e ao diesel, que faça revisões em prazos menores de três meses.

Mais um recall – Quem era fã da mecânica Volkswagen deve estar revendo os seus conceitos, parafraseando o antigo anúncio da concorrente Fiat no Brasil. Depois do problema do óleo lubrificante e de ter aumentado o prazo de garantia do motor da linha Gol/Voyage, a Volkswagen divulgou mais um recall nos veículos. Agora, é a possbilidade de insuficiência de engraxamento no rolamento das rodas traseiras. Segundo comunicado, “a utilização nessa condição pode causar ruído, e seu uso continuado pode causar travamaneto da roda. Em casos extremos, pode haver o desprendimento da roda e, eventualmente, causar acidente”.