Arquivo de maio, 2010

A Fiat tem um leque vasto de veículos no Brasil. E o que mais surpreende é a estratégia de marketing e a rapidez para tomar decisões. Para deixar os seus modelos mais atrativos, sempre há novidades. A linha Palio oferece a versâo Economy.

O Palio Fire Economy ganhou novas mudanças visuais e mais equipamentos, como grade frontal superior cromada, grade frontal inferior, lanternas fumê (origem Palio 1.8R), calotas de aro 13 e 14 e revestimento interno nos bancos e painéis de portas.

Na linha 2011, o Palio Fire Economy vem com direção hidráulica de série, econômetro, para-choques na cor do veículo, brake-light, entre outros.

Na lista da personalização, estão os acessórios que podem ser instalados. Entre os opcionais, está o kit Celebration 11, com ar-condicionado, travas elétricas e vidros elétricos dianteiros. Sai por R$ 3.710.

O Palio Fire Economy 2P sai por R$ 26.570, e o Palio Fire Economy 4P por R$ 28.330.

Anúncios

A onda chinesa está cada vez mais forte no mundo. Por aqui, a Chery lançou seu segundo veículo, o Cielo, nas versões hatch e sedã. Após o utilitário Tiggo, a Chery aposta suas fichas nos modelos Cielo, que chegam pelo mesmo preço: R$ 41,9 mil.

Na China, o veículo é chamado de A3. No Brasil, ficava impossível usar – por causa do Audi A3 – e a marca decidiu escolher o nome em uma enquete na WEB.

Produzido na fábrica de Wuhu, China, o Cielo é o segundo veículo da marca – em meados do ano passado, o utilitário Tiggo foi lançado – no País. Líder de vendas de veículos no mercado chinês, a marca Chery tem pretenções ousadas por aqui. Em 2010, a previsão de vendas está em 10 mil unidados, das quais duas mil do Cielo – 70% da versão hatch e 30% do sedã.

Além do desenho da carroceria assinado pelo estúdio italiano Pininfarina, o Cielo enbanja um pacote rechedo de equipamentos de série. Traz direção hidráulica, ar-condicionado, travas e vidros elétricos nas quatro portas, duplo airbag, freios ABS nas quatro rodas com EBD, sensor de estacionamento, rodas de liga leve de 16 polegadas com pneus 205/55, hodômetro digital, espelhos retrovisores elétricos, entre tantos itens.

Até o início de agosto, as concesionárias Chery começam a vender, também, o compacto Face. Além disso, são pelo menos mais cinco veículos, entre os quais o compacto QQ, no Brasil.

Já a chinesa Chana anunciou estreia de carros de passeio no Salão 2010. Após quase quatro anos de sua apresentação oficial e de três anos do início de suas operações no Brasil, com os modelos Family, Utility e Cargo, a Districar – importadora oficial – vai começar a trazer outros veículos da montadora chinesa Chana Automobile International Company: o Benni Mini, de 1.0 litro, o Benni com capacidade volumétrica de 1.3 litro e as versões sedã e hatch do Alsvin, com motor de 1.5 litro.

Segundo a importadora, as dimensões do Benni Mini são de 3.520 mm no comprimento, 1.570 mm na largura e 1.490 mm na altura, com entreeixos de 2.345 mm. Vem com motor gasolina 1.0, de 51 cavalos de potência. Custa R$ 29 mil . O Benni é mais encorpado: 3.655 mm no comprimento, 1.650 mm na largura e altura com 1.550 mm, além de entreeixos de 2.375 mm. Seu propulsor é de 1.3, com 63 cavalos de potência, gasolina. Sai por R$ 32 mil.

Tanto o Benni como o Benni Mini trazem como itens de série o ar condicionado, duplo airbag, vidro e travas elétricas e freios ABS, além de rádio, CD Player e MP3. Seus preços referem-se às versões com transmissão mecânica de 5 marchas.

A versão sedã do Alsvin conta com medidas de 4.360 mm no comprimento, 1.710 mm na largura e 1.475 mm na altura, com entreeixos de 2.515 mm. Seu motor gasolina 1.5 16V, de 72 cavalos de potência, com injeção eletrônica.
A versão hatch é um pouco menor somente no comprimento: 4.080 mm. Também com itens de conforto e de segurança de série, como ar condicionado, duplo airbag, vidros e travas elétricas e freios ABS, os preços sugeridos do Alsvin – com transmissão automática – são a partir de R$ 35 mil (hatch) e a partir de R$ 40 mil (sedã), respectivamente.

No Brasil, nem sempre as leis são realmente cumpridas. Mas há algumas que preservam a vida e devem ser seguidas à risco por todos, principalmente quando a norma é de trânsito e em benefício da saúde dos motorista e demais ocupantes.

A partir do dia 9 de junho, o uso da cadeirinha infantil em veículos será obrigatório. Com base na resolução 277, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e Código de Trânsito Brasileiro (CTB), quem for flagrado transportando menores de 10 anos sem o equipamento será imediatamente multado.

A infração é gravíssima, resultando em multa de R$ 191,54 e sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Além disso, o condutor terá o veículo retido até sua regularização, com a colocação do assento.
De acordo com relatório da entidade SOS Criança Segura, entre os anos 2000 e 2007, mais de 180 mil crianças foram vítimas de acidentes de trânsito, com mais de 8.000 mortes no Brasil.

Os dispositivos de segurança servem para reduzir o risco ao usuário em casos de colisão ou de desaceleração repentina do veículo. O equipamento deve ser usado de acordo com a idade e o peso da criança: bebê conforto ou conversível (até 13 kg e 1 ano), cadeira de segurança (até 18 kg e 4 anos), assento de elevação ou “booster (até 36 kg e 10 anos) e cinto de segurança (acima de 36 kg, 1m45 e acima de 10
anos).

As cadeirinhas têm preços sugeridos entre R$ 150 e R$ 1.200.