Governo bate pé contra carros importados

Publicado: 25 de setembro de 2011 em Automotivo, Importados, Opinião
Tags:, , ,

A indústria automotiva brasileira sempre ganhou benefícios do governo. Na crise de 2009, alguns modelos de carros foram vendidos sem o IPI embutido no valor final. Com isso, não houve retração de vendas e o que ocorreu foi um recorde de produção e comercialização de carros zero km no País.

Mas, há também o outro lado da moeda. Na quinta-feira, 15/09, o governo brasileiro anunciou uma medida de majoração do IPI para carros importados. Na prática, segundo os dados do governo, a conta é a seguinte: carros com motor 1.0 passam de 7% para 37%. Os veículos com motores entre 1.0 e 2.0 passam de 11% e 13% para 41% a 43%, respectivamente.

Por enquanto, só houve corre-corre de consumidores que planejavam comprar um carro importado. O preço, ainda, é o mesmo. Mas, já há ganhadores e perdedores no confuso jogo do livre mercado. No caso, as marcas chinesas foram as mais prejudicadas. Ai, quem saiu ganhando foram as fabricantes tradicionais no Brasil. Ninguém duvida que houve um looby fortíssimo para dar um basta ao crescimento avassalador das marcas chinesas, especialmente a JAC Motors – que lançou três modelos com preços competivos e com equipamentos nunca antes vistos na lista de série dos veículos produzidos no Brasil.

A lição ainda está só no começo, e pelo visto muita “água vai rolar no rio” da indústria automotiva brasileira. O aumento do IPI ocorreu justamente em um momento onde há uma divisão entre as novidades das marcas chinesas e a possível perda de mercado dos carros feitos no Brasil.

A medida do governo brasileiro, por sua vez, é para regular o mercado e impor algumas regras em favor da produção nacional. Assim, os veículos devem se encaixar nas novas normas: investimento local em tecnologia; 65% de componentes feitos no Mercosul; e cumprir seis de 11 etapas de produção de veículos no Brasil, entre as quais, estampagem, pintura, fabricação de conjunto motriz (motor e câmbio).

É a lei de quem pode mais. Assim, o maior perdedor está sendo o consumidor. Ao invés do governo se preocupar com o que é ofertado para o consumidor, lança mão de uma medida que tem uma preocupação mais econômica. É certo que a indústria nacional deve realmente ser protegida. Mas, o governo deve exigir também produtos mais acabados e tecnologia mais moderna nos carros nacionais.

Aqui, equipamentos como os desejados freios ABS e airbag em veículos só serão obrigatórios de série em 2014. Os carros chinesas, por exemplo, já oferecem estes dispositivos de segurança como item de série, e os modelos são bem mais baratos ao serem comparados com veículos nacionais. No frigir dos ovos, o brasileiro saiu extremamente prejudicado com a medida contra os carros importados implementada pelo governo Dilma. Um tiro no pé…no pé dos consumidores!

comentários
  1. Glauco disse:

    No Brasil, se paga muito por um veículo, exatamente porque sempre foram protegidos pelo Governo federal e porque formam um cartel muito bem organizado

  2. Os legisladores, nao necessitam de maneira alguma de procurar, o bem comum do cidadao, o que importa pra eles, e que o dinheiro precisa entrar no caixa, e as industrias que nao sao daqui, e sim de outros paises, sao as mais visadas, porque nao precisam enviar dinheiro direto pro governo daqui, mas já as que sao daqui….nao se precisa de mais detalhes,….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s