Carro tem que ser fabricado no Brasil

Publicado: 7 de março de 2012 em Automotivo, Opinião

Imagem

 

Imagine comprar um carro vindo do México com um belo pacote de equipamentos de série pelo preço de um veículo sem nenhum tipo de “mimo” só porque ele é produzido no Brasil. É o que está ocorrendo quando o brasileiro escolhe um Nissan March, por exemplo, em detrimento de um Volkswagen Gol.

Mas, o que está por trás de uma situação tão exdrúxula como a que a indústria brasileira está passando atualmente?

O Brasil hoje é uma potência da indústria automotiva mundial. Em 2011, ficamos atrás apenas da China, Estados Unidos e do Japão na venda de carros. Levantamento feito pela filial brasileira da consultoria Jato Dynamics aponta que houve um crescimento de 2,9% nas vendas de carros novos em relação a 2010. A China lidera a lista, com mais de 14 milhões de veículos comercializados e com alta de 7%. Na sequência, estão os Estados Unidos, que conseguiram o volume de vendas em 10,3%, e o Japão, que teve uma redução de 15,2% das suas vendas em decorrência do tsunami no país.

Mas, o Brasil cresce e, infelizmente, ainda são poucas as fabricantes que possuem plantas de produção de veículos no País. Mas, isso vai mudar. Porém, só a partir do segundo semestre deste ano, com a inauguração das fábricas da Toyota e da Hyundai, no interior de São Paulo. Entre 2013 e 2016, outras montadoras de veículos irão se instalar, ampliar suas fábricas ou investir em novas plantas de produção de veículos.

O mercado crescente tem gerado um interesse enorme da indústria automotiva. Nos últimos seis meses, o governo brasileiro decidiu endurecer as normas, especialmente contra as marcas de carros importados e em favor da indústria nacional. Agora, quem deseja “sua fatia” no já promissor mercado brasileiro terá que produzir por aqui ou “nacionalizar” em 65% os veículos vendidos no Brasil.

Nas últimas negociações para rever o acordo comercial entre México e Brasil – que oferece imposto zero na alíquota de importação de veículos vindos de lá para cá -, não houve quase nenhum avanço. No noticiário da grande imprensa, o governo do presidente Felipe Calderón anunciou que requer 30% de conteúdo mexicano nos veículos produzidos em seu país. Já os representantes de Dilma seguram o argumento de aumentar em 30 pontos porcentuais o IPI de automóveis que não detenham 65% de conteúdo nacional ou regional. 

Ou seja, o Nissan March, que já caiu no gosto do brasileiro e elevou as vendas da montadora japonesa que produz seus carros no México, pode sofrer um aumento bem significativo no seu preço competitivo.

Concordo com o governo brasileiro em estimular a produção de carros no País. Não é à toa que marcas como a Nissan, Toyota, Hyundai e chinesas como a JAC Motors, que vai se instalar em Camaçari ao lado da Ford, estão correndo contra o tempo para iniciar logo a produção de seus carros aqui no Brasil. De multinacionais, elas querem produzir carros para o consumidor brasileiro, que tem ficado cada vez mais exigente na hora de escolher o seu veículo.

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s